BLUESMAN: Retomada da identidade negra em Baco Exu do Blues

Resumo

Esse trabalho objetiva apresentar a importância do Hip Hop na formação identitária negra, uma vez que desde seu surgimento, nos anos de 1970, se faz importante no processo de afirmação cultural do povo negro quando questões como resistência e identidade são temas recorrentes nas manifestações artísticas desse movimento. O Rap, elemento musical do Hip Hop, reflete mesmo que indiretamente, a situação social do negro em suas letras. Na música Bluesman, que dá título ao seu segundo trabalho, o rapper Baco Exu do Blues, traça um paralelo do rap com o blues, abordando questões identitárias e de subalternidade, onde o negro se constituí como agente ativo de sua trajetória. Para tanto, nossa pesquisa se ocupa, metodologicamente, de uma abordagem bibliográfica e documental, através de uma análise que se ocupará em buscar no texto indícios desta retomada cultural e os seus tensionamentos com a cultura “padrão”. Nosso aporte teórico se baseia nas categorias sobre identidades e mediações culturais, cuja ancoragem está em Hall (2009); já as definições de hip hop e rap em Buzo (2010) e do Blues em Mugiatti (1995). Nesse sentido, consideramos que o processo de afirmação identitária está intimamente ligado a estas expressões artísticas, de modo que a produção decorrente desta cultura é parte constitutiva desta identidade, sendo o gênero musical um influenciador para reconhecimento da identidade negra. O hip hop, além de um manifesto artístico é um movimento que evidencia uma maneira de expressão, que viabiliza a visibilidade dos negros que buscavam pela afirmação racial e existência social.

Biografia do Autor

Sidimar Costa dos Santos

Graduando em Licenciatura em Letras com habilitação em língua portuguesa e literaturas, pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Eunápolis, Bahia, Brasil.

Quézia Figueiredo de Sá

Graduando em Licenciatura em Letras com habilitação em língua portuguesa e literaturas, pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Eunápolis, Bahia, Brasil.

Dalila da Silva Rosário

Graduando em Licenciatura em Letras com habilitação em língua portuguesa e literaturas, pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Eunápolis, Bahia, Brasil.

Referências

BLUES, Baco Exu do. Bluesman. Disponível em: https://www.letras.mus.br/baco-exu-do-blues/bluesman/. Acesso em: 15 dez. 2019.

BLUESMAN. [Compositor e intérprete]: Baco Exú do Blues. In: Bluesman. Salvador: EAEO Records, 2018. Streaming. Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=82pH37Y0qC8. Acesso em: 15 dez. 2019.

BUZO, Alessandro. Hip-hop: dentro do movimento. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2010.

VELOSO, Caetano. Entrevista Baco Exu do Blues, 2019. (27 min). Publicado pelo canal Mídia Ninja. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=ZHCeTlWAXQM. Acesso em: 15 dez. 2019.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

______. Da Diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009.

MCCANN, Bryan. A bossa nova e a influência do blues, 1955-1967. Tempo, Niterói, vol.14, n. 28, p. 101-122, jun. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-77042010000100005&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 20 maio. 2020.

MUGGIATI, Roberto. Blues: da lama à fama. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995.

PANTERA Negra (2018). Direção: Ryan Coogler. Produção: Kevin Feige. Roteiro: Ryan Coogler e Joe Robert Cole. Intérpretes: Chadwick Boseman; Michel B. Jordan; Lupita Nyong'o; Danai Gurira; Martin Freeman; Daniel Kaluuya; Letitia Wright; Winston Duke; Angela Bassett; Forest Whitaker; Andy Serkis e outros. [S.I.]: Marvel Studios. (134 min.), son., color.

RIBEIRO, Amanda. Jean-Michel Basquiat, artista que furou o bloqueio de arte feita por brancos, ganha mostra no CCBB. Guia Folha, Folha de São Paulo, São Paulo, jan, 2018. Disponível em: https://guia.folha.uol.com.br/exposicoes/2018/01/ jean-michel-basquiat-artista-que-furou-bloqueio-de-arte-feita-por-brancos-ganha-mostra-no-ccbb.shtml. Acesso em: 15 dez. 2019

SOUZA, Ana Lúcia Silva. Letramentos de Reexistência: culturas e identidades no movimento hip-hop. 2009, 206 p. Tese de Doutorado em Linguística Aplicada – Instituto de Estudos da Linguagem – Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Campinas, SP, 2009. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/269280. Acesso em: 15 dez. 2019.

UMA introdução à história do Blues. Portal Geledés: Instituto da mulher negra. Jan. 2011. Disponível em: https://www.geledes.org.br/uma-introducao-a-historia-do-Blues. Acesso em: 14 dez. 2019.
Publicado
2020-12-24
Como Citar
SANTOS, Sidimar Costa dos; SÁ, Quézia Figueiredo de; ROSÁRIO, Dalila da Silva. BLUESMAN: Retomada da identidade negra em Baco Exu do Blues. Revista PINDORAMA, [S.l.], v. 11, n. 1, p. p. 24-39, dez. 2020. ISSN 2179-2984. Disponível em: <https://publicacoes.ifba.edu.br/index.php/Pindorama/article/view/819>. Acesso em: 06 maio 2021.

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

##plugins.generic.recommendByAuthor.noMetric##