CONTRIBUIÇÕES DE JANE ELLIOTT PARA SE PENSAR A QUESTÃO RACIAL NO BRASIL: Discriminação racial, lugar de fala e empatia

Resumo

Objetiva-se inicialmente, realizar uma análise do documentário “Olhos Azulados” de Jane Elliott, o qual problematiza os efeitos da segregação racial nos Estados Unidos da América, tendo como foco alunos de terceira série primária e workshops promovidos pela professora Elliott. O vídeo servirá a este artigo como mote para discutir dominação histórica, cultural e racista. A partir do documentário em tela, discutem-se categorias chave como “discriminação racial”, “lugar de fala” e “empatia”, como instrumentais para a decodificação das relações raciais no Brasil. A contribuição de autores como Frantz Fanon (2008), Gayatri Spivak (2014), Joaze Costa & Ramón Grosfoguel (2016) e Djamila Ribeiro (2017) foram essenciais para aprimorar o diálogo temático.


 

Biografia do Autor

Rosângela Oliveira Gomes Braga

Mestranda em Ensino e Relações Étnico-raciais (PPGER/ UFSB / CSC). Técnica em Enfermagem do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (IFBA) campus Eunápolis, Bahia, Brasil.

Alexandre de Oliveira Fernandes

Doutor em Ciências da Literatura (UFRJ); Professor de Língua Portuguesa e Literatura do IFBA; professor permanente do Programa de Pós-graduação em Relações Étnicas e Contemporaneidade/PPGREC/UESB/Jequié; professor permanente no Programa de Pós-Graduação em Ensino e Relações Étnico-Raciais – PPGER, da Universidade Federal do Sua da Bahia – UFSB.

Referências

BATISTA, Luís E.; WERNECK, Jurema; LOPES, Fernanda (orgs.). Saúde da população negra. 2ª ed. Brasília, DF: ABPN – Associação Brasileira de Pesquisadores Negros, 2012. (Coleção negras e negros: pesquisas e debates / coordenação Tânia Mara Pedroso Müller).

BLOOM, Stephen G. Lesson of a Lifetime. Smithsonian Magazine. Set. 2005. Disponível: https://www.smithsonianmag.com/science-nature/lesson-of-a-lifetime-72754306/ . Acesso: 01 nov. 2019.

BLUE Eyed. Documentário: Olhos Azulados. Diretor: Bertram Verhaag. 1996. Jane Elliot. Disponível: https://www.youtube.com/watch?v=0M_JtUjxtmY&t=98s. Acesso: 23 set. 2019.

BOBBIO, Norberto; MATTEUCCI, Nicola; PASQUINO, Gianfranco. Dicionário de política. trad. VARRIALE; Carmen C, et al.; Cord. Trad. João Ferreira; Rev. geral João Ferreira e Luis Guerreiro Pinto Cacais. Brasília: Universidade de Brasília, 11ª ed., 1998. Vol. 1. 674 p.

BRANCO, Heloiza de C. Empatia no ensaio coral: aspectos dessa interação não-verbal dos cantores com o regente durante a execução musical. 2010. 165 f. Tese (Doutorado em Música) – Unicamp, Campinas, 2010. Disponível: http://repositorio.unicamp.br/jspui/bitstream/REPOSIP/284004/1/Branco_HeloizadeCastello_D.pdf. Acesso: 18 nov. 2019.

CARNEIRO, Aparecida S. A construção do outro como não-ser como fundamento do ser. 2005. 339 f. Tese (Doutorado em Filosofia da Educação) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

COSTA, Joaze B.; GROSFOGUEL, Ramón. Decolonialidade e perspectiva negra. Revista Sociedade e Estado, v. 31, n. 01, p. 15-24, 2016.

DAMASCENO, Marizete G.; ZANELLO, Valeska M. L. Saúde Mental e Racismo Contra Negros: Produção Bibliográfica Brasileira dos Últimos Quinze Anos. Psicologia: Ciência e Profissão, v. 38, n. 3, jul./set. 2018.

DATAFOLHA. PRECONCEITO. INSTITUTO DE PESQUISA DATAFOLHA. Opinião Pública, dossiês. São Paulo, dez.2018. Disponível: www.datafolha.com.br. Acesso: 18 nov. 2019.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

GASPAR, Augusta. Neurobiologia e Psicologia da Empatia: Pontos de partida para a investigação e intervenção da promoção da empatia. p.27-42. 2014. Disponível: https://www.researchgate.net/publication/268390613_Neurobiologia_e_Psicologia_da_Empatia. Acesso: 17 out. 2019.

KARNAL, Leandro; et al. História dos Estados Unidos: das origens ao século XXI. São Paulo: Contexto, 2007.

KAWAHALA, Edelu; SOLER, Rodrigo D.V. Por Uma Psicologia Social Antirracista: Contribuições de Frantz Fanon. Psicologia & Sociedade, Florianópolis: UFSC, p. 408-410, 2010.

PEREIRA, Juliano S. Algumas reflexões sobre o conceito de empatia e o jogo de rpg no ensino de história. XXVII Simpósio Nacional de História. Conhecimento histórico e diálogo sócia. Natal, RN. 22 a 26 de jul. 2013. Disponível: http://www.snh2013.anpuh.org/resources/anais/27/1364641045_ARQUIVO_ALGUMASREFLEXOESSOBREOCONCEITODEEMPATIAEOJOGODERPGNOENSINODEHISTORIA.pdf. Acesso: 18 nov. 2019.

RIBEIRO, Djamila. O que é: lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento: Justificando, 2017.

SPIVAK, Gayatri C. Pode o subalterno falar? Trad.: Sandra R. G. Almeida; Marcos P. Feitosa; André P. Feitosa. Belo Horizonte: UFMG, 2014. (Babel).

VERA, Lil; CRISTIANO, Juan. Los afrodescendentes. In: AROCENA, F.; AGUIAR, S. (Ed.). Multiculturalismo en Uruguay: Ensayo y entrevistas a once comunidades culturales. Ediciones Trilce, 2007.
Publicado
2020-12-24
Como Citar
BRAGA, Rosângela Oliveira Gomes; FERNANDES, Alexandre de Oliveira. CONTRIBUIÇÕES DE JANE ELLIOTT PARA SE PENSAR A QUESTÃO RACIAL NO BRASIL: Discriminação racial, lugar de fala e empatia. Revista PINDORAMA, [S.l.], v. 11, n. 1, p. p. 40-53, dez. 2020. ISSN 2179-2984. Disponível em: <https://publicacoes.ifba.edu.br/index.php/Pindorama/article/view/820>. Acesso em: 06 maio 2021.

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

##plugins.generic.recommendByAuthor.noMetric##