CADEIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL DO BIODIESEL NA BAHIA: CARACTERIZAÇÃO E DIAGNÓSTICO DO ELO AGROPECUÁRIO

  • Marcelo Santana Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia - IFBA
  • Fábio Matos Fernandes
  • Angela Machado Rocha
  • Ronaldo Bruno Ramalho Leal Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia - IFBA

Resumo

As Cadeias de Produção Agroindustriais (CPA) do biodiesel possuem entre os seus componentes o sistema agropecuário, fornecedor de matérias-primas para agroindústria. O objetivo desse trabalho é caracterizar o elo agropecuário da CPA do biodiesel no Estado da Bahia com destaque para a produção de soja, na região do Cerrado; de mamona, na Caatinga e; de palma, na Mata-atlântica. Para tanto, foi realizado um estudo exploratório qualitativo com levantamento de dados bibliográficos e documentais. Verificou-se: (I) Na Bahia, o segmento agropecuário do biodiesel envolve uma grande diversidade de atores, que podem ser simplificados em dois segmentos: agricultura patronal e agricultura familiar; (II) a ideia inicial de promover a mamona e a palma oriundas da agricultura familiar como principais oleaginosas para a produção de biodiesel na Bahia fracassou; (III) apesar da Bahia figurar entre os cinco maiores produtores de soja do Brasil, esse produto é quase todo direcionado para exportação, fazendo com que as usinas produtoras de biodiesel importem oleaginosas de outros estados da federação para suprir sua demanda e; (III) a Bahia apresenta vários fatores de competitividade que podem contribuir para solução dos problemas e fomentar a produção de oleaginosas para a produção de Biodiesel.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##
Doutor em Energia e Ambiente/UFBA. Professor do Instituto Federal da Bahia - IFBA.
Fábio Matos Fernandes
Mestre em Gestão e Tecnologia Industrial - Centro Integrado de Manufatura e Tecnologia (SENAI CIMATEC)
Angela Machado Rocha
Doutora em Energia e Ambiente (CieNAm-UFBA).
##submission.authorWithAffiliation##
Professor do Instituto Federal da Bahia - IFBA.

Referências

CAMPOS, A. A.; CARMÉLIO, E. C. Construir a diversidade da matriz energética: o biodiesel no Brasil. In: ABRAMOVAY, Ricardo. (org.). Biocombustiveis: energia da controvérsia. São Paulo: Editora Senac, 2009. pp. 42-78.

CARNEIRO, R. F. A produção de biodiesel na Bahia. Conjuntura e Planejamento, Salvador, SEI, n. 112, p.35-43, Set. 2003.

CARVALHO, B. C. L de. Culturas oleaginosas na Bahia: restrições e potencialidades. In: RODADAS DE DISCUSSÃO – BIODIESEL, 1., 2008, Salvador. Anais eletrônicos... Salvador: SEI, 2008.

CÉSAR, A. S.; BATALHA, M. O. Biodiesel production from castor oil in Brazil: A difficult reality. Energy Policy, v. 38, n. 8, p. 4031-4039, 2010.

COMISSÃO EXECUTIVA DO PLANO DA LAVOURA CACAUEIRA - CEPLAC. O dendezeiro como cultura energética para os trópicos úmidos. 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 mar. 2013.

COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO – CONAB. Superintendência Regional da Bahia e Sergipe. Gerência de Desenvolvimento e Suporte Estratégico. Dendeicultura da Bahia. 2006. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2013.

______. Safras: Séries Históricas. 2014. Disponível em: < http://www.conab.gov.br/conteudos.php?a=1252&t=2>. Acesso em: 10 nov. 2014.
DALL’AGNOL, A. A precipitada euforia pelo biodiesel. 2008. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2013.
EMBRAPA - EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Mamona. 2008. Disponível em: . Acesso em: 08 mar. 2008.

EMBRAPA. Zoneamento agroecológico do dendezeiro para as áreas desmatadas da Amazônia Legal. Relatório Síntese. Rio de Janeiro, 2010. 44 p. Disponível em:
www.cnps.embrapa.br/zoneamento_dende/ZonDende.pdf. Acesso em 27 jun. 2013.

FREITAS, S. M.; FREDO, C. E. Biodiesel à base de óleo de mamona: algumas considerações. Informações Econômicas, SP, v.35, n.1, p.37-42, jan. 2005.

FGV- FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS. O biodiesel e sua contribuição ao desenvolvimento brasileiro. Rio de Janeiro: FGV. 2010. Disponível em: < http://www.alice.cnptia.embrapa.br/handle/doc/872451>. Acesso em: nov. 2013.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2008. 200p.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Estatística da produção agrícola. Indicadores IBGE, 2012.

______. Produção Agrícola Municipal: Culturas Temporárias e permanentes. Bancos de Dados agregados. PAM/IBGE, 2014. Disponível em: < http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pam/default.asp?o=18&i=P> Acesso em: 15 out. 2014.

KOURY, J.; DOS SANTOS R. F.; DOS SANTOS, J. W. Evolução da cultura da mamona no Brasil. 2004. In: I Congresso Brasileiro de Mamona: Energia e Sustentabilidade. Disponível em: < http://www.biodieselbr.com/pdf/mamona/167.PDF >. Acesso em: 10 nov. 2013.

LEIRAS, Adriana. A cadeia produtiva de biodiesel: uma avaliação econômica para o caso da Bahia. 2006. 156 f. Dissertação (Mestrado) - Departamento de Engenharia Industrial, PUC, Rio de Janeiro, 2006.

MAPA –MINISTÉRIO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. Dendeicultura da Bahia. Superintendência Regional da Bahia e Sergipe. Agosto 2006.

______. Balanço Nacional da Cana-de-açucar e Agroenergia. 2007. Disponível em: < http://www.agricultura.gov.br/arq_editor/file/Desenvolvimento_Sustentavel/Agroenergia/estatisticas/PDF%20-%20BALANO%20NACIONAL_0_0_0.pdf >. Acesso em 10 jan. 2014.

MENDONÇA, Jackson Ornelas. Agricultura baiana: de onde viemos e para onde vamos. In: BAHIA, Secretaria da Agricultura, Pecuária, Irrigação e Reforma Agrária. Bahia, cenários de uma agricultura, Salvador: SPA/SEAGRI, 2001.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO (MDA). Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel: inclusão social e desenvolvimento territorial. Brasília, DF: MDA, 2011. 46 p.

MME- MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA. Boletim mensal dos combustíveis Renováveis, Brasília, SPG, 2015.

NAE - Núcleo de Assuntos Estratégicos. Cadernos NAE-Biocombustíveis, n. 2, Núcleo de Assuntos Estratégicos da Presidência da República/Secretaria de Comunicação e Gestão Estratégica, Brasília, 2005.

PARENTE, E. J. S. Biodiesel: uma aventura tecnológica num país engraçado. Fortaleza: Tecbio, 2003.

PIRES, M. de M. et al. Biodiesel de mamona: uma avaliação econômica. 2004. Disponível em: < http://www.uesc.br/ecodiesel/trab_completos/94Biodiesel_de_%20mamonaPires.pdf >. Acesso em: 18 nov. 2013.

SANDE, L. Diagnostico da cadeia produtiva do dendê no Baixo Sul da Bahia. Secretaria da Indústria, Comércio e Mineração da Bahia – SICM/BA, 2002.

SANTANA, Alberto Alves de. Investimentos em Programas de Diferenciação e Diversificação da Produção de Oleaginosas no Brasil. FAO: Proyecto de Cooperación Técnica Fao/Tcp/ 2910, 2004. p. 103.

SANTOS, R.F. dos. et al. Análise econômica. In: AZEVEDO, D. M. P. de; LIMA, E. F. (ed.). O agronegócio da mamona no Brasil. Brasília: EMBRAPA, Informação Tecnológica, 2001. pp. 17-35.

SEMA – SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE. Os Biomas do estado da Bahia. Disponível em: < http://www.meioambiente.ba.gov.br/conteudo.aspx?s=BIOBIOMA&p=BIODIVER>. Acesso em 25 set. 2013.

SILVA, L. C. Cadeia Produtiva de Produtos Agrícolas. Universidade Federal do Espírito Santo. Departamento de Engenharia Rural. Boletim Técnico MS 01/05 de 2005. Disponível em: . Acesso em: mar. 2012.

SUFRAMA/FGV. Estudo de viabilidade econômica: Dendê. 2003. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2013.

ZYLBERSZTAJN, D. Economia das organizações. In: ZYLBERSZTAJN, D; NEVES, M. F. Economia & gestão dos negócios agroalimentares. São Paulo: Pioneira, 2000.
Publicado
2016-06-14
Como Citar
SILVA, Marcelo Santana et al. CADEIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL DO BIODIESEL NA BAHIA: CARACTERIZAÇÃO E DIAGNÓSTICO DO ELO AGROPECUÁRIO. Educação, Tecnologia e Cultura - E.T.C., [S.l.], n. 14, jun. 2016. ISSN 2525-3859. Disponível em: <https://publicacoes.ifba.edu.br/index.php/etc/article/view/46>. Acesso em: 15 nov. 2019.