PRÁTICA EDUCATIVA COMO ESTRATÉGIA DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA

Resumo

O objetivo é refletir quanto à importância da prática educativa como ferramenta para o enfrentamento à violência obstétrica. Trata-se de uma pesquisa-ação a partir do recorte da pesquisa de Mestrado. Foram analisados três relatos de mulheres com experiências de partos no mesmo hospital em Eunápolis-Ba. Foi possível identificar os determinantes sociais em saúde e o intercruzamento de gênero, raça e classe, através dos relatos com evidencias do desconhecimento das mulheres sobre o termo violência obstétrica, assim como  procedimentos invasivos e violentos de maneira rotineira pautados no discurso do modelo biomédico como necessários para salvar as vidas ora da mãe, ora do bebê ou de ambos. A prática educativa mostrou-se eficaz como uma ferramenta de construção do conhecimento coletivo seja para ensinar e aprender a partir das vivências das mulheres envolvidas no processo, assim como a discussão sobre os direitos sexuais e reprodutivos e o papel da mulher e sua família no evento do parto. A pretensão a partir dos resultados encontrados é difundir as informações/relatos para as mulheres de Eunápolis como forma de encorajamento e formação de uma rede de apoio de modo que as mulheres consigam parcerias e a garantia dos direitos sexuais e reprodutivos, além de provocações com gestores e profissionais de saúde de modo a repensarem as ações para reformular as práticas a partir das recomendações  da Organização Mundial da Saúde (OMS) pautadas nas boas práticas para o bom parto.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Mestra em Ensino e Relações Étnico-Raciais PPGER/ UFSB. Professora no IFBA-Campus Eunápolis-Ba, Brasil.

Milton Ferreira da Silva Júnior

Doutor em Educação pela UFBA. Professor da UFSB/CJA/CFCAF. Itabuna-Ba, Brasil.

Referências

AGUIAR, J. M. Violência institucional em maternidades públicas: hostilidade ao invés de acolhimento como uma questão de gênero. 2013. 215 f. Tese (Doutorado em Medicina) Programa de Pós Graduação em Medicina Preventiva, Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo, 2013.

BELLON; S. S. Obstetric violence from the contributions of feminist criticism and biopolitics. Dilemata Int J Appl Ethics. [Internet]. 2015 May [cited abril 15, 2020 18):93-111. Disponível: http://www.dilemata. net/revista/index.php/dilemata/article/view/374/379. Acesso: 15 abr. 2020.

DINIZ, S. G. Gênero, saúde materna e o paradoxo perinatal. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, 19(2), 2014, p. 313-326.

DINIZ, S.G, Salgado. et al. Violência obstétrica como questão para a saúde pública no Brasil: origens, definições, tipologia, impactos sobre a saúde materna, e propostas para sua prevenção. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum. 2015; 25(3):377-84.

FERNÁNDEZ, G. F. What is obstetric violence? Some social, ethical and legal aspects. Dilemata Int J Appl Ethics. [Internet]. 2015 May [cited abrl 15, 2020];7(18):113-28. Disponível: http://www.dilemata.net/revista/index. php/dilemata/article/view/375/380. Acesso: 15 abr. 2020.

GOES, Emanuelle. Violência obstétrica e o viés racial. 2016. Disponível: https://cientistasfeministas.wordpress.com/2016/08/17/violencia-obstetrica-e-o-vies-racial/. Acesso: 20 set. 2019.

HAGUETTE, T. M. F. Metodologia qualitativas na sociologia. 12 ed. Petrópolis: Vozes, 2010.

JARDIM, D. M. B.; MODENA, C. M. Obstetric violence in the daily routine of care and its characteristics. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2018; 26: e 3069. Disponível: https://www.scielo.br/pdf/rlae/v26/pt_0104-1169-rlae-26-e3069.pdf. Acesso: 13 mai. 2020. DOI: http://dx.doi. org/10.1590/1518-8345.2450.3069.

MARCONI. M. A.; LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1999.

MANZINI, E. J. A entrevista na pesquisa social. Didática, São Paulo, v. 26/27, p. 149-158, 1990/1991.

MINAYO, M. C. de S. (Org.) Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1994.

GUIMARÃES LBE, JONAS E, AMARAL LROG. Violência obstétrica em maternidades públicas do estado do Tocantins. Revista Estudos Feministas, 2018; 26(1): e43278.

LUDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária LTDA, 1986.

Organização Mundial da Saúde – OMS. (2014). Prevenção e eliminação de abusos, desrespeito e maus-tratos durante o parto em instituições de saúde. Genebra: Autor. Disponível: http://apps.who.int/iris/ bitstream/10665/134588/3/WHO_RHR_14.23_por.pdf Acesso: 14 dez. 2019.

TORRES JA, Santos I, Vargens OMC. Constructing a care technology conception in obstetric nursing: a sociopoetic study. Texto Contexto Enferm. [Internet]. 2008 Dec [cited fev, 2020];17(4):656-64. Disponível: http://www.scielo.br/pdf/tce/v17n4/05.pdf. Acesso: 20 fev. 2020.

THIOLLENT, Michel. Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez, 2002.

TRIPP, David. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa. Trad. de Lólio Lourenço de Oliveira. São Paulo, v. 31, n. 3, set./dez. 2005, p. 443-466.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à Pesquisa em Ciências Sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

VIELLAS, E. F, DOMINGUES RMSM, Dias MAB, Gama, S. G. N, Theme Filha MM, Costa JV, et al. Assistência pré-natal no Brasil. Cad Saúde Pública 2014; 30 Suppl 1:S85-100.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. The prevention and elimination of disrespect and abuse during facilitynbased chidlbirth. [Internet]. Genebra: WHO; 2014 [cited Jun 12 2020]. Disponível: http://apps.who. int/iris/bitstream/10665/134588/1/WHO_RHR_14.23_eng.pdf?ua=1&ua=1. Acesso: 12 jun. 2020.
Publicado
2020-12-24
Como Citar
RIOS, Jean Cristina Carneiro; SILVA JÚNIOR, Milton Ferreira da. PRÁTICA EDUCATIVA COMO ESTRATÉGIA DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA. Revista PINDORAMA, [S.l.], v. 11, n. 1, p. p. 202-215, dez. 2020. ISSN 2179-2984. Disponível em: <https://publicacoes.ifba.edu.br/index.php/Pindorama/article/view/831>. Acesso em: 06 maio 2021.

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

##plugins.generic.recommendByAuthor.noMetric##