ESCOLA QUEERSTIONADORA: Por um currículo que problematize as supostas estruturas de gênero e sexualidade

Resumo

Ainda que não se discuta a respeito da diversidade de gênero e sexualidade de maneira aberta na escola, ela está presente no cotidiano dos estudantes, nos diálogos e na demarcação dos espaços físicos dessa instituição. Entretanto, ao analisarmos como os documentos norteadores do currículo citam tais questões, desde os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) à Base Nacional Comum Curricular (BNCC), percebemos a prevalência da ideologia de um regime de dominação que contribui para o amoldamento da escola aos modelos hegemônicos, inviabilizando e marginalizando todos aqueles que não se encaixam no padrão cis-heteropatriarcal. Assim, o currículo também é um espaço de poder, de autoridade e de disputas ideológicas. Nesse sentido, inspirados na pedagogia queer, proposta de autoras como Deborah Britzman (1999) e Guacira Lopes Louro (2000), sugerimos uma Escola queerstionadora, na qual o currículo escolar adotaria estratégias em que estudantes seriam estimulados a questionar modelos hegemônicos e as supostas estruturas binárias de gênero e sexualidade, nos auxiliando a pensar um currículo vivo, dialógico e que potencialize as diferenças constitutivas do ser humano.


 Palavras-chave: Educação. Diversidade sexual. Gênero. Currículo.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Mestranda do Programa de Pós – Graduação em Letras: Linguagens e Representações da UESC – Universidade Estadual de Santa Cruz- Ilhéus/ BA. Professora da Rede Municipal de Educação de Santa Cruz Cabrália, Bahia, Brasil. E-mail: grazielagrazy1@hotmail.com.

##submission.authorWithAffiliation##

Doutora em Cultura e Sociedade da FACOM/UFBA. Professora plena do curso de Comunicação Social do Departamento de Letras e Artes da Universidade Estadual de Santa Cruz – UESC, professora do Programa de Pós-graduação de Linguagens e Representações do DLA/UESC, pesquisadora do Núcleo de Estudos Afro-Baianos Regionais – KÀWÉ, Ilhéus, Bahia, Brasil. E-mail: vamim@uesc.br.

Referências

BALL, S. J. Intelectuais ou técnicos? O papel indispensável da teoria nos estudos educacionais. In: BALL, S. J.; MAINARDES, J. Políticas Educacionais: questões e dilemas. São Paulo: Cortez, 2011.

BENTO, B. Na escola se aprende que a diferença faz a diferença. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 19, n. 2, p. 549-559, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104026X2011000200016&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 29 set. 2019.

________. É o queer tem para hoje? Conversando sobre as potencialidades e apropriações da teoria queer ao Sul do Equador. Brincar de gênero, uma conversa com Berenice Bento. Queer o que? Ativismos e estudos transviados. In: Bento, B. Transviad@s: gênero, sexualidade e direitos humanos. Salvador: EdUFBA, 2017. p.123-146; p. 243-250.

BIESTA, G.J.J.; EGÉA-KUEHNE, D. Derrida and education. Londres: Routledge, 2001.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: pluralidade cultural, orientação sexual. Brasília, DF: MEC/SEF, 1997.

________. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Conselho Nacional de Educação. Resolução nº 4 de 13 de julho de 2010. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2013. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/julho- 2013-pdf/13677-diretrizes-educacao-basica-2013-pdf/file. Acesso em: 16 ago. 2018.

________. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Conselho Nacional de Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/
images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 10 ago. 2019.

________. Lei De Diretrizes e Bases. Lei nº 9.394/96 de 20 de dezembro de 1996.

________. Lei n. 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF., 26 de junho de 2014.

BRITZMAN, Deborah. Curiosidade, sexualidade e currículo. In: LOURO, Guacira Lopes (org.). O copo educado: pedagogias da sexualidade. Trad. Tomaz Tadeu da Silva. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

COLAÇO, R. Os anos sombrios da “Peste Gay”. Blog Memórias e histórias da sexualidade. [S.I.], 16 nov. 2012 Disponível em: https://memoriamhb.blog
spot.com/2012/11/os-sombrios-anos-da-peste-gay.html. Acesso em: 15 out. 2019.

DAHER, J.; BANDEIRA, C. Base Nacional aprovada, como fica a questão de gênero e sexualidade na escola? Disponível em: http://www.deolhonosplanos.org.
br/bncc-aprovada-genero-orientacao-sexual/. Acesso em: 20 out. 2019.

DELEUZE, G. Post-Scriptum: sobre as sociedades de controle. In: DELEUZE, G. Conversações. Trad. de Peter Pál Pelbart. São Paulo: Editora 34, 1992. 232 p.

DERRIDA, J. Posições. Belo Horizonte: Ed. Autêntica, 2001.

FACCHINI, R. Direitos humanos e diversidade sexual e de gênero no Brasil: avanços e desafios. Jornal da Unicamp, jun. 2018. Disponível em: https://www.unicamp.br/
unicamp/ju/artigos/direitos-humanos/direitos-humanos-e-diversidade-sexual-e-de-genero-no-brasil-avancos-e. Acesso em 27 out. 2019.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir. 1975. Portugal: Edições 70, 2013.

________. Microfísica do Poder. Organização e tradução de Roberto Machado. 18. ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

GÊNERO E EDUCAÇÃO. Pelo direito à igualdade de gênero na escola: juntas e juntos somos mais fortes. 2016. 1 folder. Disponível em: http://generoeeducacao.org.br/wpcontent/uploads/2016/05/folder_direitoigualdadegeneroescola_semmarcas.pdf, 2016. Acesso em: 26 out. 2019.

HELAL FILHO, W.; SALLES, S. Reportagem publicada desde os anos 90 revelam violência da homofobia no Brasil. Blog do Acervo. Brasil, 14/02/2019 Disponível em: https://blogs.oglobo.globo.com/blog-do-acervo/post/reportagens-publicadas-desde-os-anos-90-revelam-crueldade-da-homofobia-no-pais.html. Acesso em: 14 out. 2019.

HOFFMANN, B. Com Lula e Dilma, direitos LGBT conquistam resultados inéditos. Agência PT de Notícias, 10 mar. 2016. Disponível em: https://pt.org.br/com-lula-e-dilma-direitos-lgbt-conquistam-resultados-ineditos/. Acesso em: 22 out. 2019.

JESUS, J. G. Orientações sobre identidade de gênero: conceitos e termo. 2. ed. Brasília, 2012. Disponível em: http://pt.scribd.com. Acesso em: 15 maio 2020.

LAURETIS, T. de. Teoria queer, 20 anos depois: identidade, sexualidade e política. In: HOLLANDA, H. B. de (org.). Pensamentos feministas: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019. p. 397-409.

LOURO, G. L. (org). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autentica, 2000.

MOTT, L. População LGBT morta no Brasil. Relatório GGB 2018. Disponível em: https://grupogaydabahia.files.wordpress.com/2019/01/relat%C3%B3rio-de-crimes-contra-lgbt-brasil-2018-grupo-gay-da-bahia.pdf. Acesso em: 10 out. 2018.

REIS, A. C.; SANTOS, A. M. dos; CRUZ, M. M. da. A mortalidade por AIDS no Brasil: um estudo exploratório de sua evolução temporal. Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília, v. 16, n. 3, p. 195-205, jul./set. 2007. http://scielo.iec.gov.br/
scielo.php?script=sci_arttext&pid=S167949742007000300006. Acesso em: 18 out. 2019.

SILVA, T. T. da. Documentos de Identidade: uma introdução às teorias do currículo. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.
Publicado
2021-05-23
Como Citar
REZENDE, Graziela Pinho; AMIM, Valéria. ESCOLA QUEERSTIONADORA: Por um currículo que problematize as supostas estruturas de gênero e sexualidade. Revista PINDORAMA, [S.l.], v. 12, n. 1, p. 17, maio 2021. ISSN 2179-2984. Disponível em: <https://publicacoes.ifba.edu.br/index.php/Pindorama/article/view/855>. Acesso em: 03 ago. 2021.

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

##plugins.generic.recommendByAuthor.noMetric##