AÇÕES AFIRMATIVAS EM GÊNERO E DIVERSIDADE NO CURRÍCULO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA – EPT: Uma discussão pós-colonial

  • Silas Lacerda dos Santos UFSB
  • Georgia Bulian Souza Almeida IFES-Campus São Mateus

Resumo

A presente pesquisa objetiva discutir e identificar ações afirmativas em gênero e diversidade no currículo da Educação Profissional e Tecnológica – EPT na pós-colonialidade, refletindo formação e educação para o mundo do trabalho como possibilidade de mediação sociocultural e econômica da emancipação humana. Em relação à metodologia, buscamos atender um caráter qualitativo pautado em uma pesquisa bibliográfica. Podemos inferir que as ações afirmativas em gênero e diversidade, presentes no currículo da EPT, devem adaptar-se, ou seja, é necessário que adotem metodologias que levem em consideração as diferenças regionais, culturais, de gênero, étnico-raciais, religiosas, os perfis populacionais etários e os contextos onde as aprendizagens acontecem.


 

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Ensino e Relações Étnico-Raciais da Universidade Federal do Sul da Bahia (PPGER-UFSB-Campus Paulo Freire-CPF). Especialista em Educação Profissional e Tecnológica pelo Instituto Federal do Espírito Santo (EPT-IFES). Licenciado em Letras, Língua Portuguesa e Literaturas pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB-Departamento de Educação-Campus X). Membro do Grupo de Estudos Interdisciplinar em Cultura, Educação e Linguagens (GEICEL-CNPq-CAPES-UNEB-CAMPUS X). E-mail: silaslacerda17@hotmail.com.

##submission.authorWithAffiliation##

Mestre em Gestão Social, Educação e Desenvolvimento Regional pela Faculdade Vale do Cricaré (FVC). Especialista em Direito Civil pelo Centro Universitário do Espírito Santo e Bacharela em Direito pela mesma instituição (UNESC). Licenciada em Língua Portuguesa pela Faculdade Capixaba de Nova Venécia (MULTIVIX). Atua na Direção de Ensino e na Coordenação do Núcleo de Atendimento às Pessoas com Necessidades Específicas (NAPNE) do Instituto Federal do Espírito Santo (IFES-Campus São Mateus). Membro dos Grupos de Estudo e Pesquisa Práticas Educacionais (GPDE) do Instituto Federal do Espírito Santos-Campus São Mateus e Deficiência visual + cão-guia (GEPDV/UFES). E-mail: georgia.ifes@gmail.com.

Referências

ARROYO, Miguel G. Ofício de Mestre: imagens e auto-imagens. Petrópolis: Vozes, 2000.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero. Feminismo e subversão de identidade. Tradução de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: 1988. 10 ed. Brasília: Câmara dos Deputados, 1998.

______. Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial. Plano Nacional de Promoção da Igualdade Racial. Brasília: SEPPIR, 2006.

______. Ministério da Educação e Cultura. Lei 10.639/200 - diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana. Brasília: MEC/SEPPIR, 2004.

______. Ministério da Justiça. Plano nacional de direitos humanos II. Brasília: Presidência da República/Ministério da Justiça, 2002.

______. Ministério da Educação. Resolução CNE/CP n. 1, de 30 de maio de 2012. Estabelece Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 30 maio 2012. Seção 1, p. 48.

______. LDB: Diretrizes e Bases da Educação Nacional: Lei n. 9.394, de 1996: emendas da constituição n. 11 e 14, de 1996 e lei 9.424, de 1996. Brasília: Câmara dos Deputados. Coordenação de Publicações, 1997.
______. Decreto 2.208/97, regulamentada pelo decreto de 2.208, de 17 de abril de 1997. Disponível em:< https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra;jsessionid=58C28967B18BC95534748230382E9775.proposicoesWebExterno2?codteor=106035&filename=LegislacaoCitada+-PL+7375/2002>. Acesso em: 22/03/2020.

CAVALLEIRO, Eliane (org). Racismo e Anti-racismo na Educação. São Paulo: Sumos, 2001.
Distrito Federal. Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal. Orientações Pedagógicas para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena na Rede Pública de Ensino do DF. Brasília: SEEDF, Subsecretaria de Educação Básica/Coordenação de Educação em Diversidade, 2012.

MEC. Discriminação racial e pluralismo nas escolas públicas da cidade de São Paulo. In: Educação antirracista: caminhos abertos pela Lei Federal n0 10.639/03. Coleção Educação para Todos. Brasília. MEC. 2005.

D’AMBRÓSIO, U. Etnomatemática: arte ou técnica de explicar e conhecer. 4. ed. São Paulo: Editora Ática,1998.

FORDE, Gustavo Henrique Araújo. Repensando o PROEJA: concepções para a formação de educadores. In: Diversidade e Inclusão: interrogando o colonial na educação profissional. (Org.): – Vitória: Ifes, 2008. p. 147-175.

______. Vídeo aula: \u201cInterrogando a inclusão e a diversidade escolar numa perspectiva pós-colonial\u201d: IFES-Instituto Federal do Espírito Santo e CEFOR-Centro de Referência em Formação e Educação a Distância. Disponível em: . Acesso em: 17/03/2020.

FRIGOTTO; G. II FÓRUM EPT – FLORIPA, 2012. Disponível em . Acesso em: 22/03/2020.

GOMES, Joaquim Barbosa. Ação Afirmativa & Princípio Constitucional da Igualdade: (o Direito como instrumento de transformação social. A experiência dos EUA), Rio de Janeiro: Renovar, 2001.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

LOURO, Guacira Lopes. Um corpo estranho. Ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

MACHADO, Lourdes Marcelino e OLIVEIRA, Romualdo Portela de. Direito à educação e legislação de ensino. In: WITTMANN, Lauro Carlos e GRACINDO, Regina Vinhaes (org.) O estado da arte em política e gestão de educação no Brasil – 1991-1997. Brasília: ANPAE e Campinas: Autores Associados, 2001.

NASCIMENTO, Abdias. O Quilombismo. 2. ed. Brasília/Rio de Janeiro: Fundação Cultural Palmares/OR Editora, 2002.

ONU. Organização das Nações Unidas. Declaração universal dos direitos humanos.1948. Disponível em: . Acesso em: 18/03/2020.

ONU. Declaração Universal dos Direitos Humanos. Disponível em: Acesso em 27de junho de 2016. Disponível em: . Acesso em: 04/03/2020.

OLIVEIRA, Eduardo David de. Cosmovisão africana no Brasil: elementos para uma filosofia afrodescendente. Fortaleza: LCR, 2003.

Proposta de Diretrizes Curriculares Nacionais PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO Disponível em: . Acesso em:23/03/2020.

RENDERS. Elizabete Cristina Costa. Inclusão e Direitos humanos: a defesa da educação como um direito fundamental de todas as pessoas. Disponível em:. Acesso em: 04/03/2020.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. São Paulo: Cortez, 2006.

SANTOS, Boaventura de Sousa. (Org.). Conhecimento prudente para uma vida docente. São Paulo: Cortez, 2004.

SARTRE, Jean Paul. Reflexões sobre o racismo. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1968.

UNESCO. Declaração Universal dos Direitos Humanos: adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948. Brasília, DF, 1998. Disponível em: . Acesso em: 25/03/2020.

UNESCO. Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Declaração mundial sobre educação para todos: plano de ação para satisfazer as necessidades básicas de aprendizagem. Jomtien, 1990. Disponível em: . Acesso em: 02/03/2020.
Publicado
2021-07-02
Como Citar
SANTOS, Silas Lacerda dos; ALMEIDA, Georgia Bulian Souza. AÇÕES AFIRMATIVAS EM GÊNERO E DIVERSIDADE NO CURRÍCULO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA – EPT: Uma discussão pós-colonial. Revista PINDORAMA, [S.l.], v. 12, n. 1, p. 18, jul. 2021. ISSN 2179-2984. Disponível em: <https://publicacoes.ifba.edu.br/index.php/Pindorama/article/view/934>. Acesso em: 03 ago. 2021.

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

##plugins.generic.recommendByAuthor.noMetric##