Joaquim Cardozo

Um poeta bissexto?

Resumo

A produção lírica de Joaquim Cardozo dispõe de uma ampla importância no cenário literário nacional. Porém, a sua quietude, como também a sua descrição, proporcionaram um âmbito de esquecimento cultivado pela crítica e pela historiografia entorno da sua presença poética, chegando a ser inserido na Antologia dos Poetas Bissextos Contemporâneos (1946) organizada por Manuel Bandeira. A propósito disso, esse trabalho busca analisar a inserção de Joaquim Cardozo na Antologia de Bissextos de Manuel Bandeira, refletindo a presença lírica do engenheiro-poeta em revistas e livros, bem como as características que o tornariam um poeta bissexto, para, dessa forma, contestar essa titulação atribuída a ele por Bandeira. Com isso, em questões metodológicas, a pesquisa configura-se como bibliográfica, ou seja, feita por meio do levantamento de referências já publicadas, apresentando como base as discussões teóricas de Serro (2012), Pádua (2013) e Houaiss (1976), entre outros. Como resultados, podemos verificar que Cardozo não se configura como um poeta bissexto, pois a sua inserção na referida antologia não está relacionada com uma inconstante produção ou com uma escassez temática, e sim com uma ação para elevar a notoriedade a lírica de um poeta de grande relevância para a poesia brasileira.

Referências

BANDEIRA, Manuel. Antologia dos Poetas Brasileiros Bissextos Contemporâneos. Rio de Janeiro: Liv. Ed. Zelio Valverde, 1946.

BANDEIRA, Manuel. Antologia dos Poetas Brasileiros Bissextos Contemporâneos. 2. ed. Rio de Janeiro: Organizações Simões, 1964.

BANDEIRA, Manuel. Itinerário de Pasárgada. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

CARDOZO, Joaquim. Poesia completa e Prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2008.

CINTRA, Elaine Cristina. Um estudo sobre a presença lírica de Joaquim Cardozo nas histórias de literatura brasileira. Gláuks-Revista de Letras e Artes, v. 19, n. 2, p. 69-88, 2019.

HOUAISS, Antônio. Drummond mais seis poetas e um problema. Rio de Janeiro: Imago, 1976.

MERQUIOR, José Guilherme. Razão do poema: ensaios de crítica e de estética. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1965.

MONTEIRO, Tereza (Org.). Correspondências Clarice Lispector. Rio de Janeiro: Rocco, 2002.

PÁDUA, Vilani Maria de. Modernismo em Pernambuco: a poesia de Joaquim Cardozo. In: Viva a Pernambucanidade Viva, 3., 2013, Recife. Anais do Viva a Pernambucanidade Viva XIII, Recife, 2013, p. 1-15.

PASSOS, José Luiz. Pastoral e modernidade nos poemas de Joaquim Cardozo. Luso-Brazilian Review, Wisconsin, n. 41, v. 2, p. 1-19, 2005.

SILVA, Sammis Reachers Cristence. Antologia como equipamento didático: exposição, defesa e perspectivas. Universidade Salgado de Oliveira, Recife, 2019.

SERRO, Raquel Brandão do. A poesia de Joaquim Cardozo: um caminho próprio e original da poesia moderna brasileira. 2012. Dissertação (Mestrado em Literatura Brasileira). Universidade de Brasília. Brasília, 2012.

SUSSEKIND, Flora (Org.). Correspondência de Cabral com Bandeira e Drummond. Rio de Janeiro, Fundação Casa de Rui Barbosa, Nova Fronteira, 2001.

VICENTE, Silvana Moreli. Cartas Provincianas: correspondência entre Gilberto Freyre e Manuel Bandeira. São Paulo: Global, 2007.
Publicado
2021-07-03
Como Citar
SILVA, Renan Ferreira da. Joaquim Cardozo. Enlaces, [S.l.], v. 2, p. e021002, jul. 2021. ISSN 2675-9810. Disponível em: <https://publicacoes.ifba.edu.br/index.php/enlaces/article/view/877>. Acesso em: 03 ago. 2021.
Edição
Seção
ARTIGOS

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

##plugins.generic.recommendByAuthor.noMetric##