ARQUEOLOGIA POÉTICA: A ESTÉTICA DO COTIDIANO E DA MEMÓRIA

  • José Almir Valente Costa Filho IFMA
  • Mayra Santos Costa PUC-MG

Resumo

A proposta do presente artigo tem como mote a apresentação da realização de uma intervenção urbana como forma de gestão artística contemporânea que envolve arte, educação e comunidade. Trata-se da montagem da obra Arqueologia Poética, composta por milhares de objetos de ferro provenientes do século XVIII e XIX, do artista Luiz Antônio Rodrigues (1956) – Chiquitão como é popularmente conhecido em Ouro Preto. A exposição representou uma tentativa de reconstrução da história da histórica Ouro Preto por meio de objetos coletados e colecionados por Chiquitão durante 40 anos, assim como instaurou uma reflexão sobre esses objetos históricos reconfigurados sob a ótica da arte a partir da cotidianidade. A cidade, mesmo em seu devir se configura como persistência da memória.

Publicado
2019-03-30
Como Citar
COSTA FILHO, José Almir Valente; COSTA, Mayra Santos. ARQUEOLOGIA POÉTICA: A ESTÉTICA DO COTIDIANO E DA MEMÓRIA. Ensino em Foco, [S.l.], v. 2, n. 3, p. 125 - 139, mar. 2019. ISSN 2595-0479. Disponível em: <https://publicacoes.ifba.edu.br/index.php/ensinoemfoco/article/view/561>. Acesso em: 26 set. 2020.
Seção
Artigos

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

##plugins.generic.recommendByAuthor.noMetric##