ENTRE O DISCURSO E O CURRÍCULO: A questão de gênero e sexualidade no curso de Ciências Sociais da UESC

Autores

  • José Carlos Gomes de Campos UNIMONTES
  • Gabriela Santos Schiavon UESC/DISCENTE
  • Roque Pinto Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), Ilhéus, Bahia, Brasil

Palavras-chave:

Currículo, Discurso, Saber-Poder

Resumo

As universidades são espaços de produção de conhecimento onde os discursos e os saberes se manifestam e influenciam as construções identitárias de cada indivíduo. O presente trabalho pretende apresentar de que forma o currículo atua como instrumento de controle e de formação discursiva, analisando também como essas marcações reverberam no currículo do curso de ciências sociais da UESC a partir das discussões de gênero e sexualidade. No primeiro momento, indicamos como se dispõem as áreas de estudo e as disciplinas no PAC do curso de ciências sociais da UESC, identificando qual disciplina sobre gênero e sexualidade presente no currículo. Após, estabelecemos como as marcações de saber/poder se relacionam com a constituição dos currículos acadêmicos. Por fim, realizamos uma análise a respeito do PAC do curso de ciências sociais da UESC, a fim de compreender os processos de formações discursivas dentro do curso, trazendo o recorte das temáticas de gênero e sexualidade. Em seguida à análise, percebemos como as interdições do discurso estão presentes na construção do currículo do curso de ciências sociais, onde as temáticas de gênero e sexualidade se esbarram no tabu do objeto e encontram resistências para a elaboração de disciplinas a respeito das temáticas, ao tempo de que também se esbarram no ritual da circunstância em que as próprias condições institucionais levam ao tabu do objeto, como também a permanência do direito privilegiado de fala aos indivíduos e instituições cis-héteros, brancos, patriarcais e cristãs.

Referências

CASALI, Jessica Pereira; GONÇALVES, Josiane Peres. Pós-estruturalismo: algumas considerações sobre esse movimento do pensamento. Revista Espaço de Diálogo e Desconexão – REDD, São Paulo, v.16, nº 2, 2016.

CHAMMA, Letícia Negrão. A virada antropológica: o retorno do sujeito e da história. Revista Sem Aspas, Araraquara, v.7, n.2, p. 233-248, jul./dez., 2018.

CEZAR, Temístocles. Estruturalismo e pós-estruturalismo na perspectiva do conhecimento histórico. Anos 90. Porto Alegre, n. 4, dezembro 1995.

ESPOSITO, Yuri Bataglia. Subjetivação necropolítica e amaterialidade dopós- estruturalismo. Agenda Política, São Carlos, v. 8, n. 1, , 2020.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. Petrópolis: vozes, 2011.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso – aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. 24º edição, São Paulo: Loyola, Brasil, 2014.

MAIA, Carlos Alvarez. A crise da história e a onda pós-estruturalista. Revista Maracanan, Rio de Janeiro, n. 18, p. 50-65, jan./jun. 2018.

MARIANO, Silvana Aparecida. O sujeito do feminismo e o pós-estruturalismo. Estudos Feministas, Florianópolis, 13(3): 320, set.-dez., 2005.

OLIVEIRA, Márcia Betânia de. Pós-estruturalismo e teoria do discurso: perspectivas teóricas para pesquisassobre políticas de currículo. Revista Brasileira de Educação, Rio Grande do Norte, v. 23, 2018.

PETERS, Michael. Estruturalismo e pós-estruturalismo. In: PETERS, Michael. Pós- estruturalismo e filosofia da diferença. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

UESC. Proposta de criação e projeto acadêmico do curso de licenciatura em ciências sociais. Acesso em: 02/11/2021. Disponível em: http://www.uesc.br/cursos/graduacao/licenciatura/ciencias_sociais/pac.pdf.

Downloads

Publicado

2022-06-09

Como Citar

CAMPOS , . C. G. de .; SANTOS SCHIAVON, . .; PINTO , . . ENTRE O DISCURSO E O CURRÍCULO: A questão de gênero e sexualidade no curso de Ciências Sociais da UESC. Revista PINDORAMA, [S. l.], v. 13, n. 1, p. 12, 2022. Disponível em: https://publicacoes.ifba.edu.br/Pindorama/article/view/972. Acesso em: 22 abr. 2024.