Educação do Campo e Sociolinguística Educacional

Trilhas pedagógicas decoloniais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.55847/enlaces.v3i.962

Palavras-chave:

Educação do Campo, Sociolinguística Educacional, (De)Coloniadade

Resumo

A Educação do Campo constitui uma modalidade de ensino que se assenta no comprometimento com os conhecimentos produzidos pelos sujeitos do campo a partir da legitimação pedagógica de suas práticas socioculturais, de modo que a Escola reconheça e valorize as suas identidades (Cf. CALDART, 2004). A Sociolinguística Educacional, por sua vez, pauta-se pela abordagem pedagógica da variação linguística (Cf. BORTONI-RICARDO, 2005; COAN; FREITAG, 2010; MARTINS; VIEIRA; TAVARES, 2014) para promover uma educação linguística plural e democrática, pela qual, entre outras ações, se combate o preconceito em relação às variedades não padrão, como, por exemplo, os dialetos rurais. O presente trabalho discute essa perspectiva de ensino de língua, no âmbito da Educação do Campo, objetivando circunscrevê-la em um conjunto de práticas político-pedagógicas de natureza decolonial.  Nesse sentido, aborda-se o ensino sociolinguístico de português como uma diretriz pedagógica que, sobretudo na Educação do Campo, contribui para coibir a Colonialidade do Saber (QUIJANO, 2005; BABTISTA; LÓPEZ-GOPAR, 2019), isto é, processo – resultante do colonialismo – responsável, entre outros efeitos, por levar a Escola a endossar, no processo de ensino-aprendizagem, uma cosmovisão eurocêntrica em detrimento de identidades linguístico-culturais locais, como as dos sujeitos do campo.

Biografia do Autor

Telma Maria Pereira dos Santos, Secretaria de Educação, Cairu-BA

Especialista em Leitura e Produção Textual Aplicadas à EJA (IF Baiano), em História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena (IF Baiano) e em Educação Infantil (FACE); graduada em Pedagogia (UNEB); professora da rede municipal de Cairu-BA. 

Fabrício da Silva Amorim, Instituto Federal da Bahia, Santo Antônio de Jesus-BA

Professor do Instituto Federal da Bahia; doutor em Estudos Linguísticos (UNESP), mestre em Língua e Cultura (UFBA) e licenciado em Letras: Português/Inglês (UNEB). 

Bárbara Elaine Correia de Santana, Secretaria de Educação, Cairu-BA

Especialista em Leitura e Produção Textual Aplicadas à EJA (IF Baiano) e em Psicologia da Educação (FAC); graduada em Pedagogia (UNEB); professora da rede municipal de Cairu-BA e de Ituberá-BA. 

Referências

AMORIM, F. S. Ensino do português brasileiro: por uma pedagogia descolonial. Web-Revista Sociodialeto, v. 05, p. 111-138, 2014. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/292695294_ENSINO_DO_PORTUGUES_BRASILEIRO_POR_UMA_PEDAGOGIA_DESCOLONIAL. Acesso em: 02 jun. 2020.

BAPTISTA, L. M. T. R.; LÓPEZ GOPAR, M. E. Educação crítica, decolonialidade e educação linguística no Brasil e no México. Letras & Letras, v. 35, n. especial, p. 1-27, 23 out. 2019. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/49261/27233. Acesso em: 21 dez. 2020.

BECHARA, Evanildo. Ensino da gramática: opressão? Liberdade? 12. ed. São Paulo: Ática, 2006.

BORTONI-RICARDO, S. M. Nós cheguemu na escola, e agora?: sociolinguística e educação. São Paulo: Parábola Editorial, 2005.

BORTONI-RICARDO, S. M. Manual de Sociolinguística. São Paulo: Contexto, 2014.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. De 20 de Dezembro de 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm. Acesso em: 07 jul. 2020.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular, Brasília: MEC/SEB, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/02/bncc-20dezsite.pdf. Acesso em: 27 jul. 2020.

CALDART, R. Elementos para a construção do projeto político e pedagógico da Educação do Campo. In: MOLINA, M. C.; JESUS, S. M. S. A. (Org.). Contribuições para a construção de um Projeto de Educação do Campo. Articulação Nacional “Por uma Educação do Campo”, n. 5, Brasília, 2004.

COAN, M.; FREITAG, R. Sociolinguística Variacionista: pressupostos teórico-metodológicos e propostas de ensino. Domínios de Lingu@Gem, v. 4, p. 173-194, 2010. Disponível em http://www.seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/11618/6863. Acesso em: 17 dez. 2020.

LUCCHESI, D. Língua e sociedade partidas: a polarização sociolinguística do Brasil. São Paulo: Contexto, 2015.

MARTINS, M. A.; VIEIRA, S. R.; TAVARES, M. A. (Org.). Ensino de português e sociolinguística. São Paulo: Contexto, 2014.

MATTOS e SILVA, R. V. O português são dois: novas fronteiras, velhos problemas. 2. ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

OLIVEIRA, L. F.; CANDAU, V. M. F. Pedagogia Decolonial e educação antirracista e intercultural no Brasil. Educação em Revista, Belo Horizonte: UFMG. v. 26, p.15-40, 2010.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, E. (Org). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais – perspectivas latino-americanas. Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina. p.227-278, 2005.

SANTOS, R. B. História da Educação do Campo no Brasil: o protagonismo dos movimentos sociais. Teias, Rio de Janeiro, v. 18, p. 210-224, 2017.

Downloads

Publicado

23-03-2022

Como Citar

SANTOS, . M. P. dos; AMORIM, . da S.; SANTANA, . E. C. de. Educação do Campo e Sociolinguística Educacional: Trilhas pedagógicas decoloniais. Enlaces, Salvador, v. 3, 2022. DOI: 10.55847/enlaces.v3i.962. Disponível em: https://publicacoes.ifba.edu.br/enlaces/article/view/962. Acesso em: 10 dez. 2022.