O enunciado concreto em tessituras enunciativo-discursivas literárias sobre o Sertão / Nordeste / Semiárido

Autores

Palavras-chave:

Dialogismo, Enunciado Concreto, Processos enunciativos, Sertão/Nordeste

Resumo

O termo enunciado concreto estabelece tanto uma ruptura quanto um posicionamento epistemológico do Círculo de Bakhtin acerca da produção de conhecimento em Linguística e Literatura. Desta feita, os estudos aqui realizados objetivam tratar reflexivo-teoricamente acerca do conceito de enunciado concreto, pensando-o a partir da mobilização de excertos de obras da denominada literatura das secas, tais quais O Quinze, de Rachel de Queiroz (2012 [1930]) e Luzia-Homem (1977 [1903]), de Domingos Olympio Braga Cavalcanti (1977 [1903]).  Assim, em termos metodológicos, procede-se com o esboço de uma leitura enunciativo-discursiva baseada nos pressupostos teóricos bakhtinianos. A pesquisa é de cunho bibliográfico, realizada através do levantamento de referências já publicadas acerca do tema, de forma que os estudos se basearam em alguns autores como Volóchinov (2018 [1929]; 2019); Bakhtin (2011 [1979]; 2015 [1975]); Medviédev (2012 [1928]); Santos Filho e Santos (2021); Albuquerque Jr. (2011; 2017; 2019), dentre outro(a)s. Os resultados apontam para a compreensão de que enunciados concretos participam da vida de significações filiando-se a elos discursivos pregressos e posteriores, que corroboram ou refratam determinado conteúdo temático forjado no processo enunciativo, a exemplo dos excertos das obras literárias mobilizados, que participam da construção da noção hegemônica de sertão/Nordeste/semiárido. Ademais, os estudos bakhtinianos compreenderam que o enunciado concreto possui especificidades e participam da cadeia da vida de significações, construindo a realidade inteligível nas diferentes esferas da atividade humana e diferentes gêneros discursivos.

Referências

ALBUQUERQUE JR., D. M. A invenção do Nordeste e outras artes. São Paulo: Cortez, 2011.

ALBUQUERQUE JR., D. M. As imagens retirantes: a constituição da figurabilidade da seca pela literatura do final do século XIX e do início do século XX. Varia História, Belo Horizonte, vol. 33, n.61, p. 225-251, jan/abr 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/j/vh/a/JVJF8gfD7f8SHFHBvX9twjm/abstract/?lang=pt. Acesso em: 10 out. 2021.

ALBUQUERQUE JR., D. M. O Rapto do Sertão: a captura do conceito de sertão pelo discurso regionalista nordestino. Revista Observatório Itaú Cultural, São Paulo, n. 25, p. 21-35, maio/nov 2019. Disponível em: https://www.itaucultural.org.br/revista-observatorio-25-sertoes-imaginarios-memorias-e-politicas. Acesso em: 10 out. 2021.

BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. In: BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. Tradução de Paulo Bezerra. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2011 [1979], p. 261-270.

BAKHTIN, M. Teoria do romance I A estilística. Tradução de Paulo Bezerra. São Paulo: Editora 34, 2015 [1975].

BIDERMAN, M. T. C. A estruturação do léxico e a organização do conhecimento. Letras de Hoje, v. 22, n. 4, 15 abr. 2014. Disponível em: https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fale/article/view/17049. Acesso em: 10 jul. 2021.

CAVALCANTI, D. O. B. Luiza-Homem. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, 1977 [1903].

KOCH, I. G. V. Linguagem e cognição: a construção e reconstrução de objetos-de-discurso. Veredas, revista de estudos linguísticos. Juiz de Fora, v. 6, n. 1, p. 29-42, 2009. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/veredas/article/view/25294. Acesso em: 10 jan. 2022.

MEDVIÉDEV, P. N. O método formal nos estudos literários: Introdução Crítica a uma Poética Sociológica. Tradução de Ekaterina Vólkova Américo. São Paulo: Contexto, 2012 [1928].

MIOTELLO, V. A literatura como forma de compreensão da vida. 18 jul. 2020. Youtube: Literatura de Quinta. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=FlVIROni3Nc. Acesso em: 12 jul. 2021.

MOITA LOPES, L. P. Linguística aplicada e vida contemporânea: problematização dos constructos que têm orientado a pesquisa. In: MOITA LOPES, L. P. (org.). Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006. p. 45-63.

QUEIROZ, R. de. O Quinze. Rio de Janeiro: Editora José Olympio LTDA, 2012 [1930].

SANTOS FILHO, I. I. dos; SANTOS, H. P. S. dos. As palavras na berlinda: “os retirantes do coronavírus” / “o novo êxodo nordestino” [o linguístico, o histórico e o geográfico, no político]. In: MAIOR, Rita de Cássia Souto; BORGES, Lorena Araújo de Oliveira (org.). Estudos das práticas de linguagem em tempos de pandemia. Maceió: Edufal, 2021. p. 96-117. Disponível em: http://www.repositorio.ufal.br/jspui/handle/123456789/8919. Acesso em: 10 jan. 2022.

SANTOS FILHO, I. I. Leitura e Produção de texto. Natal: EDUFRN, 2016.

TÁVORA, F. O Cabeleira. 6.ed. São Paulo: Ática, 1993 [1876].

VALÉRIO, P. S. O adjetivo sob um olhar enunciativo publicitário: a contribuição de Émile Benveniste. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade de Passo Fundo, 2005.

VOLÓCHINOV, V. Estilística do discurso literário II: A construção do enunciado. In: VOLÓCHINOV, V. A palavra na vida e a palavra na poesia. Tradução de Sheila Grillo e Ekaterina Vólkova Américo. São Paulo: Editora 34, 2019, p. 230 - 298.

VOLÓCHINOV, V. Marxismo e Filosofia da Linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. 2.ed. Tradução de Sheila Grillo e Ekaterina Vólkova Américo. São Paulo: Editora 34, 2018 [1929].

Downloads

Publicado

02-11-2022

Como Citar

SILVA DOS SANTOS, . P. O enunciado concreto em tessituras enunciativo-discursivas literárias sobre o Sertão / Nordeste / Semiárido. Enlaces, Salvador, v. 3, 2022. Disponível em: https://publicacoes.ifba.edu.br/enlaces/article/view/975. Acesso em: 10 dez. 2022.