OS DESASTRES NATURAIS E A PERCEPÇÃO SOCIOAMBIENTAL: REGIÕES COSTEIRAS DOS RIOS URBANOS DE VILHENA

  • Valeria Arenhardt IFRO/Campus Vilhena
  • Lucimara Aparecida Dias de Toledo Serviço Social da Industria/SESI – Vilhena
  • Gicelma Claudia Costa Xavier IFRO/Campus Vilhena

Resumo

Cada vez mais as pessoas percebem e sentem o aquecimento global e os cataclismos climatológicos. No entanto, o que podemos constatar é que a maior incidência dos desastres de origem natural deve-se ao aumento da vulnerabilidade socioambiental dos centros urbanos, onde a degradação ambiental aumentou nos últimos anos com o êxodo rural. Está degradação espacializou, os riscos de enchentes e catástrofes ambientais. Considerando a grande quantidade de resíduos depositados as margens dos rios urbanos da cidade de Vilhena, esta pesquisa teve como objetivo investigar quais são as ações da população, residente próximo a estes rios, voltada para a conservação e preservação das margens e propor ações para mudança de comportamento e no futuro evitar os desastres naturais tão comuns nas grandes cidades.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##
Mestre em Administração e Gestão de Negócios, pela Associação Vilhenense de Educação e Cultura; Especialização em Recursos Humanos, pela Faculdade de Educação e Ciências Administrativas de Vilhena; Especialização em Metodologia do Ensino e Administração e Contabilidade pela Faculdade de Ciências Contábeis e de Administração de Marília; Especializanda em Gestão da Educação a Distância pelo Instituto Federal do Paraná/IFPR; Diretora do Departamento de Extensão do Instituto Federal de Rondônia/IFRO, Campus Vilhena, Professora do Ensino Básico Técnico e Tecnológico no IFRO/Campus Vilhena.
##submission.authorWithAffiliation##
Graduada em Educação Física, pela Universidade Norte do Paraná/UNOPAR; Especialização em  Andamento em Gestão Ambiental, pelo do Instituto Federal de Rondônia/IFRO, Campus Vilhena; Professora da Educação Infantil e Fundamental I e II, pelo Serviço Social da Industria/SESI – Vilhena.
##submission.authorWithAffiliation##
Mestrado em Ciências da Linguagem e Especialização em Língua Portuguesa pela Universidade Federal de Rondônia, RO; graduação em Letras – Português/Inglês pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Colatina, ES.;Professora do Ensino Básico Técnico e Tecnológico do IFRO/Campus Vilhena.

Referências

ALEXANDER, D. The study of natural disasters, 1977-1997: some reflections on a changing field of knowledge. Disasters, v. 21, n. 4, p. 284-304, 1997.
BBC Brasil. Brasil é o país das Américas mais afetado por desastres. 2003. Disponível em: Acesso em: 06 de maio de 2014.
BRASIL. Constituição. Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 05 de outubro de 1988. Brasília, DF: Senado, 1988.
BRASIL. Lei nº 12305 de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da Republica.
CASTRO, Antonio Luiz Coimbra. Glossário de defesa civil: estudo de riscos e medicina de desastres. Brasília: MPO/ Departamento de Defesa Civil, 1998. 283 p. Disponível em: Acesso 08 de maio de 2014.
CASTRO, Antonio Luiz Coimbra.. Manual de planejamento em defesa civil. Vol.1. Brasília: Ministério da Integração Nacional/Departamento de Defesa Civil, 1999. Disponível em Acesso: 08 de maio de 2014.
Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável. Resultado da Rio+20 - O futuro que queremos, em 29/08/2012. Disponível em: Acesso: 20 de maio de 2014.
DEGG, M. Natural disasters: recent trends and future prospects. Geography, v. 77, n. 336, p.198-209, 1992.
EM-DAT – Emergency Events Database. The OFDA/CRED International Disaster Database. Disponível em: . Acesso em: 06 de maio de 2014.
FERRARA, Lucrécia D’Alessio. As cidades ilegíveis – percepção ambiental e cidadania. In: DEL RIO, V.;OLIVEIRA, L. (Orgs.) Percepção Ambiental- A Experiência Brasileira. São Paulo: Studio Nobel, p.61-80, 1996.
IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística População por estado município. Disponível em Acesso em 05 maio de 2014.
ISDR – International Strategy for Disaster Reduction. Living with risk: a global review of disaster reduction initiatives. Preliminary version. Disponível: Acesso 08/05/2014.
KOBIYAMA, Masato et al.. Prevenção de Desastres Naturais - conceitos básicos. Organic Trading. Florianópolis: 2006.
MAFFRA, Cristina; MAZZOLA, Marcelo Org. por SANTOS, Rosely Ferreira dos. Vulnerabilidade Ambiental – Desastres Naturais ou Fenômenos Induzidos? Ministério do Meio Ambiente, Brasília: 2007. Disponível em: Acesso: 20 de maio de 2014.
MONTEIRO, Jander Barbosa e ZANELLA, Maria Elisa. Impactos socioambientais associados aos desastres naturais em fortaleza-ce: o exemplo do bairro parque Genibaú Disponível em; Acesso 07 de maio de 2014.
NCEM – North Carolina Division of Emergency Management. Local hazard mitigation planning manual. Raleigh, 1998. Disponível em: Acesso 08 de maio de 2014.
OLIVEIRA, Kleber Andolfato de; CORONA Hieda Maria Pagliosa. A percepção ambiental como ferramenta de propostas educativas e de políticas ambientais. ANAP Brasil - Revista Científica. Paraná, v 1 n. 1, p. 53 – 72, julho. 2008.
PEEK, Lori.A. ; MILETI, Dennis. S.. The history and future of disaster research. In: Bechtel, R. B. and Churchman, A. (Org) Hanbdbook of environmental psychology. New York: John Wiley; Sons, 2002, p.511-524.
TOBIN, G. A; MONTZ, B. E. Natural hazards: explanation and integration. New York: The Guilford Press, 1997. 388p. Disponível em: Acesso em: 08 de maio de 2014.
VASCO, Ana Paula; ZAKRZEVSKI, Sônia Beatris Balvedi. O estado da arte das pesquisas sobre percepção ambiental no Brasil. Perspectiva. Erechim. v. 34, n. 125. P. 17-28. Mar 2010.
VIEIRA, Pedro Alves. Desastres Ambientais Laboratório de Processamento de Imagens e Geoprocessamento . Disponível em: Acesso: 08/05/2014.
Publicado
2016-06-30
Como Citar
ARENHARDT, Valeria; TOLEDO, Lucimara Aparecida Dias de; XAVIER, Gicelma Claudia Costa. OS DESASTRES NATURAIS E A PERCEPÇÃO SOCIOAMBIENTAL: REGIÕES COSTEIRAS DOS RIOS URBANOS DE VILHENA. Educação, Tecnologia e Cultura - E.T.C., [S.l.], n. 14, jun. 2016. ISSN 2525-3859. Disponível em: <https://publicacoes.ifba.edu.br/index.php/etc/article/view/40>. Acesso em: 15 nov. 2019.