A Variação lexical para acessório de cabelo

Autores

  • Carina Sampaio Nascimento Faculdade Batista Brasileira (FBB)
  • Marcela Moura Torres Paim Universidade Federal Rural de Pernambuco/Universidade Federal da Bahia https://orcid.org/0000-0002-1303-3763

Palavras-chave:

Dialetologia, Linguística Sociocognitiva, Projeto ALiB

Resumo

Neste artigo, desenvolveu-se uma investigação lexical, tomando como base dados do corpus do Projeto Atlas Linguístico do Brasil (ALiB), que é um intento de amplitude nacional, na área da Dialetologia e que tem como método a Geolinguística Pluridimensional, que se sustenta em um tripé básico, definido por Cardoso (2010, p. 89), como rede de pontos, informantes e questionários. Selecionou-se uma rede com as localidades do Nordeste brasileiro, utilizou-se uma pergunta, do Questionário Semântico-Lexical – QSL, a 192, “como se chama um objeto fino de metal, para prender o cabelo? Mostrar grampo (com pressão)/ramona/misse” (Comitê Nacional, 2001, p. 37). Contou-se com a contribuição de informantes, estratificados, por sexo, faixa etária e nível de escolaridade. As denominações encontradas, como, por exemplo, misse, grampo, birilo, friso, foram avaliadas numa perspectiva geossociocognitiva, revelando as redes radiais com as formas prototípicas e periféricas relacionadas aos nomes atribuídos para o acessório de cabelo pelos falantes.

Biografia do Autor

Marcela Moura Torres Paim, Universidade Federal Rural de Pernambuco/Universidade Federal da Bahia

Professora Associada II de Língua Portuguesa do Departamento de Letras da Universidade Federal Rural de Pernambuco. Professora Permanente do Programa de Pós-Graduação em Língua e Cultura (PPGLinC) da Universidade Federal da Bahia e do Programa de Pós-Graduação em Estudos da Linguagem (PROGEL) da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), Doutora em Letras pela Universidade Federal da Bahia (2007). Realizou Estágio Pós-Doutoral na Universidade Estadual de Feira de Santana. Possui graduação em Letras pela Universidade Federal de Pernambuco (2001) e mestrado em Letras e Linguística pela Universidade Federal da Bahia (2005). Foi coordenadora do Projeto CAPES-COFECUB 838/15, em parceria com a Universidade Paris 13. É avaliadora "ad hoc" do Ministério da Educação (INEP/MEC) para Reconhecimento e Renovação de Reconhecimento de Cursos (Publicado no D.O.U - Portaria N. 484, de 07 de junho de 2018). É integrante efetiva do Grupo de Trabalho de Lexicologia, Lexicografia e Terminologia e de Sociolinguística da ANPOLL. É Diretora Científica do Projeto de pesquisa Atlas Linguístico do Brasil (ALiB). Atua como pesquisadora do Projeto NURC - Salvador, tendo sido bolsista de Iniciação Científica e de Aperfeiçoamento do Projeto durante a Graduação e a Pós-Graduação. Foi Vice-Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Língua e Cultura da Universidade Federal da Bahia em 2017. Tem experiência na área de Linguística, atuando principalmente nos seguintes temas: Sociolinguística, Dialetologia, Atlas Linguísticos e Variação.

Referências

ALMEIDA, A. A. D. Histórias sobre as redes de significação do item léxico foda à luz do sociocognitivismo. In: ALMEIDA, A. A. D.; SANTOS, E. S. (Org.). Linguagens e cognição. Salvador: EDUFBA. 2016. p. 13-46.

AULETE, C. Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa. Versão eletrônica. Rio de Janeiro: Editora Lexikon, 2006.

CARDOSO, S. A. M. Dialetologia. In: MOLLICA, M. C.; FERRAREZI JÚNIOR, C. Sociolinguística, Sociolinguísticas: uma introdução. São Paulo: Contexto, 2016. p.13-22.

CARDOSO, S. A. M. Geolinguística: tradição e modernidade. São Paulo: Parábola, 2010.

COMITÊ NACIONAL DO PROJETO ALiB. Atlas Linguístico do Brasil. Questionários. Londrina: Editora da UEL, 2001.

COSERIU, E. Sentidos e Tareas de la Dialectologia. México: Instituto de Investigaciones Filológicas – Centro de Lingüística Hispánica, 1982.

LAKOFF, G. Women, Fire, and Dangerous Things: what categories reveal about the Mind. Chicago: The University of Chicago Press, 1990.

LAKOFF, G.; TURNER, M. More than Cool Reason: A Field Guide to Poetic Metaphor. Chicago: The University of Chicago Press, 1989.

LAVER, J. A Roupa e a Moda: uma história concisa. Trad. Glória Maria de Mello Carvalho. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

MOTA, J. A. Reflexões sobre a arte de fazer inquéritos linguísticos. In: MOTA, J. A.; CARDOSO, S. A. M. (Org.). Documentos 2. Projeto Atlas Lingüístico do Brasil. Salvador: Quarteto, 2006. p. 239-266.

NASCIMENTO, C. S. Grampo e Diadema: um estudo geossociocognitivo com base no corpus do Projeto Atlas Linguístico do Brasil. Tese (Doutorado em Letras) – Programa de Pós-Graduação em Língua e Cultura, Universidade Federal da Bahia, Salvador, XXX.

PAIM, M. M. T. As denominações para rouge, grampo/ramona/misse e diadema/arco/tiara nas capitais brasileiras. In: I CONGRESSO INTERNACIONAL DE FILOLOGIA ROMÂNICA, 2012, Salvador. Anais [...]. Salvador: Universidade Federal da Bahia, 2012. p. 234-243.

SANTOS, R. Transdisciplinaridade. Cadernos de Educação. Instituto Piaget, Lisboa, n. 8, p. 7-9, 23 nov. 1995.

SILVA, A. S. Sistema e variação: quão sistemático pode ser o sistema linguístico num modelo baseado no uso? Revista Linguística, Rio de Janeiro, v. 8, n. 1, p. 15-32, jun. 2012.

SILVA-CORVALÁN, C. Sociolingüística: teoría y analisis. Madrid: Alhambra, 1988.

TELES, A. R. T. F. Cartografia e Georreferenciamento na Geolinguística: revisão e atualização das regiões dialetais e da rede de pontos para a elaboração do Atlas Linguístico do Brasil formuladas por Antenor Nascentes. Tese. (Programa de Pós-Graduação em Língua e Cultura) – Instituto de Letras, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2018.

Downloads

Publicado

29-12-2023

Como Citar

NASCIMENTO, . S.; PAIM, . M. T. A Variação lexical para acessório de cabelo. Enlaces, Salvador, v. 4, p. e023004, 2023. Disponível em: https://publicacoes.ifba.edu.br/enlaces/article/view/1042. Acesso em: 15 abr. 2024.